Skip to main content

A medição de obra pública pode ser um desafio para os gestores de projetos públicos. É com base nelas que serão feitas as aplicações de multas, solicitações, aditivos de prazo e valor. Além de diversos outros pontos decisivos para o bom andamento de uma obra. Porém, por se tratar de um conjunto de atividades bastante complexo, os problemas podem aparecer. Informações desencontradas, valores desconexos e cálculos equivocados representam um risco, tanto para o órgão responsável quanto para as empreiteiras contratadas.

Alguns gestores não conseguem controlar com eficiência as medições, muitas vezes realizando-as apenas em planilhas eletrônicas (de Excel, por exemplo). Com este tipo de planilha, não há a segurança nem o controle necessário para garantir a boa execução da obra. Porém, já existem ferramentas de gestão desenvolvidas especialmente para sanar este tipo de problema e dar mais precisão às tarefas de medição de obra pública. Continue a leitura e veja de que forma isto é possível!

Melhorando a gestão da medição de obra pública

Quando uma obra começa a ser executada, o órgão contratante deve saber se o que foi contratado está efetivamente sendo cumprido, tanto sob o aspecto legal – seguindo o orçamento e as regras estabelecidas. A medição de uma obra pública é de total responsabilidade do fiscal de obras, que constata o andamento do cronograma e responde legalmente pelas informações apresentadas. O profissional é considerado o representante da Administração Pública e tem poder de decisão para corrigir falhas que possam ocorrer durante a execução do projeto.

Entre as suas atribuições, o fiscal deve manter os registros das medições sempre atualizados e sem equívocos. Se puder fazê-los diretamente do canteiro de obras, em tempo real, integrando estas informações a um repositório geral do projeto, a tendência é garantir uma maior fidelidade em relação ao estado atual da construção e, por consequência, mais eficiência à gestão do projeto de obra pública.

A ferramenta ideal

No entanto, ainda é comum vermos alguns profissionais de fiscalização trabalhando de forma analógica, utilizando planilhas eletrônicas ou mesmo anotando as informações apenas em formulários de papel. Mas já é possível mudar este processo. Ao usar ferramentas digitais automatizadas, a gestão otimiza a fiscalização e a medição de obra pública, ganhando eficiência, precisão, transparência e atualização de dados em tempo real.

São ferramentas específicas para obras públicas (software de gestão), que dão uma visão de ponta a ponta do projeto – desde a elaboração do escopo até a prestação de contas – e automatizam cálculos e registros. Este tipo de sistema faz, por exemplo, uma integração total da planilha orçamentária já aprovada (licitada e contratada) para a etapa da medição. Assim, estes números e as quantidades de materiais e serviços podem ser integralmente mantidos e seguidos à risca pelo fiscal durante a execução da obra.

Adotar um sistema digitalizado e automatizado específico para o gerenciamento de obras ainda traz ganhos diretos para a rotina do fiscal, que pode inserir dados diretamente do canteiro de trabalho, além de dar a toda a equipe uma visão global do andamento do projeto. Desta forma, o trabalho pode ser realizado em menor tempo, com maior eficiência e maior controle nos custos, desde o planejamento até a finalização da obra.

Autor

  • Formada em Ciências da Computação, MBA em gestão empresarial, especialização em Big Data e em andamento de Product Management, atualmente é Analista de Negócios na Softplan

Compartilhe esse conteúdo nas redes sociais
Rosi Fabiane Hoffmann Moro

Rosi Fabiane Hoffmann Moro

Formada em Ciências da Computação, MBA em gestão empresarial, especialização em Big Data e em andamento de Product Management, atualmente é Analista de Negócios na Softplan

Deixe um comentário