Skip to main content

Captar recursos externos por meio de modalidades de empréstimos e financiamentos internacionais é uma das formas de estados e municípios poderem executar obras de infraestrutura nas cidades, aliás, muitos projetos de saneamento, trânsito, oferta de água ou energia, entre outros, dependem de verbas vindas das diferentes modalidades e empréstimos internacionais. Inclusive, já listamos aqui no blog os principais organismos internacionais que podem ser investidores neste tipo de projeto, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD).

Porém, para poder aprovar seu projeto junto à Cofiex e assim concretizar o financiamento internacional, os gestores públicos também devem conhecer a fundo as especificidades de cada organismo multilateral de crédito, agências governamentais internacionais, bancos, entre outros, que irão conceder o empréstimo. Isto porque, é preciso estudar o capital disponível para as contrapartidas desde a fase inicial da proposta. Em geral, estas condições são acordadas junto ao financiador e devem ser cumpridas ao longo da execução do projeto para a liberação das parcelas referentes ao empréstimo.  

Para explicar melhor todo este processo, neste artigo, vamos apresentar as diferentes modalidades de empréstimos e financiamentos internacionais adotadas pelos principais agentes internacionais de crédito.

(Leia também: Tecnologia como grande aliada do setor público na gestão de projetos cofinanciados)

Conheça as modalidades de empréstimos e financiamentos internacionais utilizados por agentes de crédito no exterior

Antes de mais nada, como BID e BIRD são as principais fontes de recursos utilizadas por projetos brasileiros, vamos descrever mais especificamente as modalidades de empréstimos e financiamentos internacionais destes organismos – mas também existem outros bancos que podem financiar projetos pelo Brasil, entre eles o CAF (Corporación Andina de Fomento) e FONPLATA (Fondo Financiero para el Desarrollo de la Cuenca del Plata).

Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)

O BID é a principal fonte de financiamento multilateral para projetos de desenvolvimento econômico, social e institucional de programas de promoção do comércio e integração regional na América Latina e Caribe, e visa o crescimento sustentável.

Seus programas e projetos são financiados por empréstimos que, geralmente, obedecem a taxas de mercado. Contudo, algumas destas concessões, dependendo de suas características e destinações, são subsidiadas com recursos especiais. Outra vantagem das linhas de financiamento do BID são os prazos de pagamento, variando entre 8 e 15 anos, para o setor privado, e 15 e 25 anos, para o setor público.

O Banco possui inúmeras linhas de financiamentos, mas destacam-se:

  • Empréstimos para projetos específicos – destinam-se ao financiamento de projetos definidos previamente à aprovação do empréstimo do banco, tais como educação e infraestrutura;
  • Empréstimos para programas de obras múltiplas – destinam-se ao financiamento de grupos de obras do mesmo tipo, porém fisicamente independentes;
  • Empréstimos de crédito global (multissetoriais) – concedidos a instituições financeiras intermediárias ou entidades similares dos países mutuários para repasses aos mutuários finais;
  • Linhas de Créditos Condicionais (CCLIPs) – instrumentos baseados em desempenho, ou seja, o mutuário deve comprovar resultados satisfatórios em projetos anteriores.

E entre as condições de financiamento do BID, estão:

  • Financiamento do projeto – geralmente até 60% do custo total do projeto, podendo chegar até 90%;
  • Moeda – Dólar, Euro ou Iene;
  • Taxa de Juros – Mecanismo Uni Monetário (custo médio das captações do banco + spread) e Mecanismo Uni Monetário baseado na LIBOR (taxa LIBOR de 3 meses + spread) Comissão de Compromisso – desde 2003 é de 0,25% ao ano;
  • Outras Comissões – Comissão de Inspeção e Vigilância, mas está reduzida a zero;
  • Desembolsos – de 3 a 6 anos;
  • Carência – até 6 anos;
  • Amortização – de 20 a 25 anos;
  • Recursos Disponíveis – até US$ 101 bilhões.

Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD)

O BIRD, junto ao IDA (Associação Internacional de Desenvolvimento), constitui o Banco Mundial, organização que tem como principal objetivo a promoção do progresso econômico e social dos países membros. É uma das maiores fontes de conhecimento e financiamento do mundo, e oferece apoio aos governos para investir em escolas e centros de saúde, fornecimento de água e energia, combate a doenças e proteção ao meio ambiente.

Ao contrário dos bancos comerciais, o Banco Mundial fornece crédito a juros baixos ou até mesmo sem juros para os países que não conseguem obter empréstimos para desenvolvimento em nenhum outro lugar, de modo a ajudá-los no combate à pobreza. O apoio prestado é orientado por uma estratégia chamada de “Estratégia de Assistência ao País”, onde é preciso que o país solicitante do financiamento internacional realize esforços, como reformas em sua economia, para maximizar a ajuda financeira no combate à desigualdade social e à promoção de um desenvolvimento mais sustentável.  

Outro diferencial é a carência, que em alguns casos é concedido um prazo de dez anos antes do início do pagamento de um empréstimo. São duas as principais linhas de crédito na área governamental:

  • SIL (Linha de Investimento Específica) – destinada à constituição de infraestrutura econômica e manutenção das unidades produtivas;
  • SIM (Linha de Apoio a Investimentos Setoriais) – destinada diretamente ao setor público, na busca pela eficiência do gasto público mediante ajuste nos projetos e despesas.

Já as condições de financiamento internacional do BIRD são as seguintes:

  • Financiamento do Projeto – geralmente até 50% do custo total, podendo superar este percentual;
  • Moeda – Dólar, Euro ou Iene;
  • Taxa de Juros – LIBOR de seis meses + spread fixo ou variável;
  • Comissão de Compromisso – de 0,75% ao ano até 0,85% ao ano;
  • Outras Comissões – Comissão Abertura de Crédito de 1,0 % do valor do financiamento;
  • Desembolsos – até 5 anos;
  • Carência – de 3 a 5 anos;
  • Amortização – de 12 a 15 anos;
  • Recursos Disponíveis – US$ 14,5 bilhões por país.

Como vimos, há diferenças entre as modalidades de empréstimos e financiamentos internacionais entre fontes de crédito, como prazos de amortização, taxas de juros, prazos de desembolsos, carência e recursos disponíveis. Por isso, é essencial que todas estas variáveis sejam levadas em consideração pela coordenação da Unidade de Gerenciamento de Projetos (UGP) logo na elaboração e estruturação do projeto, a fim de garantir as melhores condições de contratação do empréstimo.

 

Baixe o Ebook – Tecnologia a favor de projetos cofinanciados: 5 dicas para o seu projeto não parar!

Ou

Conheça as Histórias de Sucesso na gestão de projetos cofinanciados.

Projeto Estado Presente: Segurança Cidadã do Espírito Santo é exemplo de gestão em projetos cofinanciados por bancos internacionais

Tecnologia em gestão de projetos cofinanciados gera eficiência na execução do programa de expansão da rede educacional de Florianópolis

Deixe um comentário